A relação entre trabalho e atividades domésticas no cenário da pandemia

A relação entre trabalho e atividades domésticas no cenário da pandemia

Recorte da realidade atual das professoras e trabalhadoras da educação.

Elaine Rosa Moreira Bento 6 mar 2021, 16:35

A pandemia da Covid-19 nos trouxe inúmeros desafios, tanto relacionados à saúde bem como na alteração da rotina de vida antes vista como “normal”. Embora saibamos que o home office já vinha sendo adotado em alguns setores, a urgência de adotar posturas de prevenção e enfrentamento à pandemia deu mais abrangência a esta prática, trazendo para muitas pessoas uma mudança repentina nas atividades laborais. Neste texto abordaremos os desafios que o home office trouxe para as mulheres, trabalhadoras da educação e responsáveis por suas famílias que precisam encontrar um ponto de equilíbrio entre cuidar e trabalhar.

Em tempos anteriores ao da pandemia as professoras habitualmente já levavam atividades, avaliações, projetos e demais documentos da escola para casa, o que por muitas vezes acabava por “invadir” a rotina doméstica e até mesmo o horário reservado ao descanso. Com o advento da pandemia da covid-19, fomos levados a adotar diferentes posturas e formas de desenvolvimento do trabalho, levando grande parte de nossas atividades para o ambiente virtual. Embora inicialmente pareça que conciliar o trabalho e as atividades domésticas seja confortável e favoreça uma rotina mais flexível, temos observado que, grande parte dos professores, em sua maioria composta por mulheres, têm vivenciado grandes dificuldades cotidianas ao tentar gerenciar atividades pedagógicas, o cuidado com familiares e a casa. Além de observarmos falta de planejamento das entidades para investir na capacitação de profissionais para o uso das novas tecnologias, destacamos também o aumento do número de horas trabalhadas, o que tem gerado a invasão do período anteriormente destinado ao descanso e organização da vida pessoal. 

Frente aos novos desafios de educar através de plataformas de aprendizagem onde o contato e as trocas tão fundamentais para o processo são ausentes, muitos ainda tem que lidar com a pressão das entidades para a elaboração de atividades e postagens em moldes para muitos até então desconhecidos devido à falta de formação tecnológica em serviço e da frequente demanda de alunos e responsáveis que por vezes solicitam atendimento em horários que ultrapassam a jornada de trabalho de profissionais. Ligações, mensagens de whatsaap e interações através de redes sociais surgem nesta dinâmica onde inicialmente o foco seria proporcionar maiores possibilidades de sincronicidade e interação entre alunos e docentes, mas que acabam também gerando a exposição e invasão da vida privada. Paralelamente a isso, somamos as atividades domésticas e os cuidados com familiares que, infelizmente, ainda são atividades que historicamente são delegadas em sua maioria às mulheres. Com isso, temos observado um aumento de casos de saúde física e emocional que se potencializam no contexto da necessidade de isolamento trazida pela pandemia.

É necessário repensar e ressignificar papéis em diferentes cenários: trabalho, casa, família para que nós mulheres, trabalhadoras da educação, mães, chefes de família, companheiras e sobretudo cidadãs que têm seus objetivos e sonhos não tenhamos nossas vidas tão atingidas pela desigualdade nas divisões de responsabilidades domésticas que tem sido invadidas pelo universo do trabalho no cenário da pandemia.


Pelo fim da violência de gênero no Paraná!

Exigências à prefeitura de Toledo no combate à violência contra a mulher.

Assine a petição

Parceiros

Entre em contato!

Política de privacidade

Mensagem enviada com sucesso!